Petroleum

Postado em set 19, 2010

Nossa segunda brassagem ocorreu dia 31/07/2010, como o pessoal aqui gosta de cervejas pretas e estavam vislumbrados pelas Imperial Stout, resolvemos fazer uma Imperial Stout. A princípio era uma Imperial Stout “simples”. Mas resolvemos colocar aveia para ajudar na retenção de espuma, o que a transformou em Imperial Oatmeal Stout. Como queríamos fazer uma cerveja forte, encorpada e com todos aqueles aromas e sabores que uma Imperial Stout merece. Escolhemos tentar atingir os limites superiores definidos pelo BJCP, ou seja OG 1115 e 12% de álcool.

petroleo2

Petroleum fluindo

Á principio a receita parecia muito boa, é depois de pronta ela provou que está ficando cada vez melhor. O problema que enfrentamos foi colocar todo esse malte numa panela de 120 litros. Nesse dia descobrimos o máximo da panela, aprendemos que exageramos e muito na receita. Veja o vídeo abaixo do momento em que tentavámos colocar tudo na panela.

Sinistro, tínhamos que colocar todos aqueles 47 kg de malte e obviamente eles não cabiam com água da mostura.

“É, acho que vai demorar”

Mas no fim conseguimos, como não cabia toda a água da mostura (no mínimo do mínimo 2 vezes o peso de malte em litros de agua) e como todo aquele líquido se tornou de uma coisa preta sem precedentes, testamos se a conversão estava feita tomando o mosto, depois de algumas horas o líquido já estava bem doce, então decidimos iniciar a filtragem que iria se estender durante 12 horas. O vídeo logo abaixo mostra o momento de felicidade quando o mosto começa a fluir depois de umas 8 horas, antes disso era só um fio que saía da panela.

Depois a fervura e resfriamento ocorreram muito bem. Depois de colocar o mosto nos galões e adicionar o fermento, percebemos que tinham se passado 24 horas desde o ínicio. Nunca mais faremos uma brassagem tão longa assim com certeza.

Quando medimos a FG provamos a cerveja e apenas um nome veio a cabeça, Petroleum. A cerveja demora a escorrer do copo, é repleta de aromas e sabores. E não contentes com a complexidade que a cerveja já possuía. Resolvemos adicionar 200 gr de chocolate 85% de cacau na maturação. O resultado? Você poderá conferir no Curitba Homebrew Fest dia 25 de setembro.

Aprendemos muitas coisas com a Petroleum, o limite máximo de malte para nossas panelas é 40 kg e mesmo assim dando uma exagerada. Que a cevada torrada moída jamais deve entrar na panela de brassagem, aquilo entope tudo, na próxima brassagem dessa receita iremos passar um “café” e adicionar apenas o líquido na panela, aquele pó dentro da panela nunca mais.

Comentários

  1. Marcio disse:

    OPa!! lembrem de minha colaboração nessa Stout. O Nome! =)

  2. Ricardo Unterkircher disse:

    Murilo, achei cacau 100% em pó, joguei algumas gramas na minha imperial oatmeal stout na segunda-feira. Até agora (sexta-feira) está exatamente do jeito que eu joguei. Ele não decanta ou demora mto pra isso?

    Abs e sucesso.
    Ricardo

    1. Murilo disse:

      Ta a qnts graus? Zero? Aqui depois de um dia ele decanta pro fundo.

      1. Ricardo Unterkircher disse:

        Maturando a 1 grau. Está me lembrando aquele “chocolate dois frades” que nao mistura com o leite! =/

        Obs. comecei a maturacao com 8 graus, depois baixei pra 1 grau onde ficou 1 semana até chegar segunda-feira passada (16/05), onde adicionei o cacau em pó, até agora (22/05) nada de decantar (mantendo 1 grau).

        Abs e sucesso.
        Ricardo

  3. Ricardo Unterkircher disse:

    Murilo, parabéns!

    http://www.brejas.com.br/cervejas/brasil/DUM-Petroleum/

    Me diga uma coisa, o que seria o “malte Black”? Compativeis?

    Abs